quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Contos de Ratinhos, de Arnold Lobel



                                                    
 
Haverá momento mais doce do que aquele em que uma criança é acompanhada na sua viagem até ao sono pelas histórias contadas pela voz de alguém que ama? É assim que tem início este livro, e embora quem peça uma história sejam sete ratinhos, reconhecemos neste ritual apaziguador a nossa própria infância e a dos nossos filhos. Desta vez, porém, o pai rato decide fazer algo ainda melhor: contará sete contos, um por cada filho, se prometerem adormecer logo de seguida, o que os ratinhos aceitam prontamente.

O poço dos desejos”, “Nuvens”, “O rato muito alto e o rato muito baixo”, “O rato e os ventos”, “A viagem”, “O rato muito velho” e “O banho” são narrativas breves com muitas peripécias e obstáculos, mas com finais felizes, que encantam e prendem a atenção dos leitores mais pequenos, pelo ritmo dado pela contenção sintática e vocabular, pelos frequentes diálogos, repetições, acumulações, humor, nonsense e suspense. A componente pictórica não só complementa a narrativa verbal com detalhe curioso e divertido (no índice inicial e ao longo de todo o livro), mas expande-a , nomeadamente, quando no início localiza espacialmente a ação numa casinha numa floresta coberta pela neve, e no final, quando nos mostra o que faz o pai rato depois dos pequenos terem adormecido. O caráter circular da diegese é evidenciado pela ilustração redonda inicial que mostra o pai pronto para contar à luz da vela e sete ratinhos bem despertos e que é reproposta no final, quase como num jogo com o leitor, para que descubra as diferenças e leia assim a passagem do tempo e o caminho em direção ao sono e ao sonho.

Um livro cheio de afetos e sorrisos para toda a família, que convida à releitura atenta. Porém, os mais pequenos beneficiariam mais da sua leitura se a tradução de Alexandre Honrado tivesse tido em conta que este foi originalmente pensado como um “I CAN READ BOOK”, ou seja, para ajudar no processo de aprendizagem da leitura.

Trinta e um anos separam a edição em língua original (Mouse Tales, 1972) da sua publicação em Portugal, e Arnold Lobel, figura inquestionável da Literatura Infanto-juvenil, dotado de um estilo essencial e poético, capaz de abordar, sem moralismos, com grande simplicidade, mas nunca de forma simplista, temáticas estruturantes para o crescimento dos seus leitores como o conhecimento de si próprio e dos outros, a família, a amizade, os medos, continua entre nós amplamente desconhecido, com apenas mais 3 livros publicados, todos pela mão da editora Kalandraka (Um Porquinho, O Tio Elefante, Sopa de Rato). Esperamos que 2014 nos traga as aventuras de Frog and Toad!

Histórias de Ratinhos
Arnold Lobel
Lisboa: Kalandraka, 2003

Sem comentários:

Publicar um comentário